História do Labrador

  • A teoria mais aceita para a origem do Labrador Retriever, ou simplesmente Labrador, é de que seja originário de Newfoundland ou Terra Nova, na costa oriental do Canadá, onde era utilizado pelos pescadores para puxar as redes para a terra.
  • Apesar de ter origem no Canadá, a raça foi realmente consolidada na Grã-Bretanha, onde chegou aproximadamente em 1830. O The Kennel Club reconheceu oficialmente a raça em 1903 e 14 anos depois o American Kennel Club fez o mesmo, registrando-o como cão mais popular logo após a 2ª Guerra Mundial, em 1991.
  • Por suas qualidades - excelente faro, disposição e facilidade de aprendizado - foi ganhando espaço em muitas atividades.
  • Destacou-se por sua habilidade em atuar em dupla com o homem durante as caçadas, esperando o dono atirar na ave para depois ir buscá-la com rapidez. Para cumprir sua tarefa o Labrador é capaz de enfrentar qualquer tipo de obstáculo, seja na terra ou na água, onde por ser um excelente nadador, sai-se muito bem.
  • Reconhecidos por sua inteligência e docilidade, a raça passou a ser usada como cão guia, auxiliando pessoas com necessidades especiais diariamente. 

  • Popularidade

  • O labrador é reconhecido por ser um cão afável, carinhoso e extremamente dócil com crianças.  Foram essas características que fez com que a raça ganhasse popularidade mundial, sendo há anos o número 1 em registros nos EUA e na Inglaterra.

  • Cores

  • São 3 as cores permitidas pelo padrão da raça: o preto, amarelo e chocolate. Sua pelagem é curta e espessa e requer poucos cuidados especiais por parte dos donos.


  • Dedicação e apego são marcas registradas da raça, assim como a inteligência e a facilidade de aprendizado. Segundo o ranking elaborado por Stanley Coren, em seu livro A Inteligência dos Cães o Labrador ocupa a 7ª posição no que se refere à obediência para o trabalho, o que ampliou ainda seu "campo de trabalho. É um excelente guia para cegos e atua como cão farejador à procura de drogas em muitos aeroportos.
  • É extremamente dedicado ao dono e segundo o padrão da raça, não deve apresentar nenhum grau de agressividade. Têm também grande necessidade de estar junto com os donos, seguindo seus passos por todos os lugares. 

Padrão da raça

BREVE RESUMO HISTÓRICO: Popularmente considera-se que o Labrador Retriever teve origem na costa de Terra Nova, onde os pescadores foram vistos usando um cão de aparência semelhante para recuperar peixes. Um excelente cão de água; pelo resistente às intempéries e cauda singular, comparada à de uma lontra devido à sua forma, enfatizam essa característica. Comparativamente falando, o Labrador não é uma raça muito antiga, tendo sido formado o clube da raça em 1916 e o Clube do Labrador Amarelo foi fundado em 1925. Foi nas provas de campo que o Labrador encontrou a fama cedo, tendo sido originalmente introduzido nesta atividade no final de 1800 pelo Coronel Peter Hawker e pelo Conde de Malmesbury. Foi um cão chamado de Malmesbury Tramp, descrito por Lorna, Condessa de Howe, uma das raízes do atual Labrador.


APARÊNCIA GERAL: Fortemente constituído, curto, muito ativo; (o que se opõe a excesso de peso ou substância) crânio largo; peito e costelas largos e profundos; lombo e posteriores largos e fortes.

COMPORTAMENTO / TEMPERAMENTO: Bom temperamento; muito ágil; excelente faro; cuidadoso ao recolher a caça (boca macia); apaixonado por água. Capaz de se adaptar em qualquer lugar; companheiro fiel. Inteligente, vivo e obediente, com muita vontade de agradar. De natureza amigável, sem nenhum traço de agressividade ou de timidez.

CABEÇA

REGIÃO CRANIANA
Crânio: Largo. Bem definido, sem bochechas carnudas.
Stop: Definido.

REGIÃO FACIAL
Trufa: Larga, narinas bem desenvolvidas.
Focinho: Poderoso, não pontudo.
Maxilares / Dentes: Maxilares de tamanho médio; maxilares e dentes fortes, com uma perfeita, regular e completa mordedura em tesoura, isto é, os dentes superiores recobrem os dentes inferiores e são inseridos ortogonalmente aos maxilares.
Olhos: De tamanho médio, expressando inteligência e bom temperamento; de cor marrom ou avelã.
Orelhas: Nem grandes, nem pesadas, pendentes rente à cabeça e inseridas bem para trás

PESCOÇO: Seco, forte, poderoso, inserido em ombros bem colocados.

TRONCO
Dorso: Linha superior nivelada.
Lombo: Largo, curto e forte.
Peito: De boa largura e profundidade, com costelas bem arqueadas em barril - esse efeito não deve ser produzido por peso excessivo.

CAUDA: Característica da raça. Muito grossa na base, afinando gradualmente até a ponta; de tamanho médio, sem franjas, mas coberta completamente por pelos curtos, espessos e densos, dando uma aparência “arredondada”, descrita como “cauda de lontra”. Pode ser portada alegremente, mas sem curvar sobre o dorso.

MEMBROS

ANTERIORES
Aparência geral: Retos do cotovelo ao solo, quando vistos de frente ou de perfil.
Ombros: Longos e oblíquos.
Antebraços: De boa ossatura e retos.
Patas: Redondas, compactas; dedos bem curvados e almofadas bem desenvolvidas.

POSTERIORES
Aparência geral: Bem desenvolvidos; sem inclinação para a cauda
Joelhos: Bem angulados.
Jarretes: Bem descidos. Jarretes de vaca são altamente indesejáveis.
Patas: Redondas, compactas; dedos bem curvados e almofadas bem desenvolvidas.

MOVIMENTAÇÃO: Livre, cobrindo adequadamente o terreno. Os membros anteriores e posteriores se movimentam planos e retos.

PELAGEM
Pelo: Característico; curto, denso, sem ser ondulado e sem franjas, dando a impressão de ser bastante duro ao toque; o subpelo é resistente às intempéries.

COR: Inteiramente preto, amarelo ou fígado/chocolate. O amarelo vai do creme claro ao vermelho da raposa. Pequena mancha branca no peito é permitida.

TAMANHO
Altura ideal na cernelha: Machos: 56 a 57 cm // Fêmeas: 54 a 56 cm.

FALTAS: Qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade e seus efeitos na saúde e bem estar do cão e em sua habilidade para executar seu trabalho tradicional.

FALTAS DESQUALIFICANTES

  • Agressividade ou timidez excessiva.
  • Todo cão que apresentar qualquer sinal de anomalia física ou de comportamento deve ser desqualificado.

NOTAS:

  • Os machos devem apresentar os dois testículos, de aparência normal, bem descidos e acomodados na bolsa escrotal.
  • Somente os cães clinicamente e funcionalmente saudáveis e com conformação típica da raça deveriam ser usados para a reprodução.

Padrão formato PDF



Compartilhe


Segue a gente